Seguidores

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Resenha: A ilha do tesouro

"Está tudo acabado", pensei. (...) Morrerei de fome ou pelos golpes dos bandidos!" - Jim Hawkins

Há tempos eu queria ler esse livro, mas tava sem tempo para lê-lo em PDF. Aí comprei num sebo e meus problemas acabaram!
Sinopse:
Stevenson declarou que "se isto não encantar os garotos, ora, então eles mudaram muito desde que eu era criança". Uma história de piratas, com um mapa, um tesouro, um motim e um cozinheiro de bordo com uma perna só, A ilha do tesouro permanece uma das histórias de aventuras mais amadas da literatura.

O livro é narrado pelo jovem Jim Hawkins, que começa morando com seus pais numa hotelaria na Inglaterra, pelo século 18. Um dia, chega até eles um enigmático sujeito, um velho marinheiro, muito desconfiado. Após meses, homens estranhos começam a vir até ele. Suprimindo detalhes, a casa é invadida e bastante danificada e Jim foge com sua mãe e com algumas coisas do marinheiro, que incluem um mapa de uma ilha onde está um tesouro escondido. Jim busca ajuda do médico da cidade, que está no castelo do juiz, e os três organizam uma expedição para trazerem o tesouro. Mas a tripulação é muito estranha, ninguém confia em ninguém, há muitos piratas. Logo se descobre o verdadeiro objetivo da viagem e um motim se arma.
Boa parte do livro também se passa na ilha. Muitas mortes, traições constantes, mistérios,  descobertas, mal-entendidos, rum, pólvora, cenas de combate - enfim, gostei muito da leitura. Eu gosto de histórias marítimas. Só não gostei de, basicamente, duas coisas:
Além de tantos personagens (tanto a tripulação, como os que não faziam parte da tripulação), ainda são citados por diversos nomes, dentre títulos, apelidos, sobrenomes etc. Isso me deixou bastante confuso. E como eu ia lembrar da página que explicou aquele personagem específico?
A outra coisa era que essa versão que li é de 1972. Se você não sabe, a língua portuguesa mudou bastante de lá pra cá e me foi uma verdadeira tortura ler tantos "erros" de português. *suspiro*

Mas claro que gostei do desfecho da história.

Robert Louis Stevenson (1850-1894) é considerado um dos maiores escritores da literatura mundial. Inexcedível no gênero de romances de aventuras, é autor deste A ilha do tesouro (1883), sua primeira obra de ficção extensa. O reconhecimento que recebeu após a publicação deste livro cresceu com o lançamento de O estranho caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde (O médico e o monstro), de 1886.

4 comentários:

  1. Quando voce disse que são muitas mortes e mistérios, eu até me animei porque eu adoro livros assim.
    Mas aí você disse são tantos personagens que voce ficou confuso. E eu tive uma terrível lembrança de alguns livros da Agatha Christie rs, sobretudo aquele "Assassinato no Expresso do Oriente", que tinha tanta gente envolvida e que eu odiei o final. E aquele livro foi o suficiente pra eu saber que nunca mais quero ler outro livro assim. rs

    Beijoo
    Blog Sem Spoiler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja, mas alguns são citados poucas vezes e morrem (marujos). O ruim (que às vezes era bom) é que às vezes citava a função dele no navio, e aí eu não sabia o que era e misturava tudo. *risos*
      Mas tenho certeza que, quando eu ler de novo, entenderei bem mais.
      Obrigado pela visita.

      Excluir
  2. Olá, adorei sua resenha!
    Eu estou a fim de ler esse livro há um bom tempo já, mas ainda não o encontrei. Adoro essas histórias de aventura, essas histórias de piratas. hehehe Mesmo com as diferenças da escrita daquele tempo (e isso realmente atrapalha) pretendo lê-lo assim que o encontrar.
    Beijos, Lery. :D
    http://lerissakunzler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino que têm versões atualizadas, mas aí você pensa: uma versão que eu entenda ou a original?
      Eu, pessoalmente, prefiro a que eu entenda. Mas aí depende de cada um.
      Seja bem-vinda ao blog!

      Excluir

Angel Lyla